4 dicas de como trabalhar o marketing digital em tempos de coronavírus

Se a internet já era um dos principais canais de comunicação de empresas com os clientes, nestes dias em que praticamente o mundo todo está de quarentena por recomendações de especialistas, mais do que importante, a internet passou a ser fundamental. Esta forma de comunicação é basicamente o meio mais rápido e eficiente de uma empresa falar com seu cliente, já que o contato pessoal ficou restrito e mídias como rádio, anúncios em revista e TV tendem a ser mais caros e de difícil segmentação e mensuração dos resultados.

Como tudo o que acontece de forma inesperada, o avanço da pandemia em âmbito mundial pegou a todos desprevenidos. A indecisão sobre como agir é geral e não poderia ser diferente. O importante agora é manter a tranquilidade, pesquisar diferentes cenários e agir com cautela.

Confira algumas dicas de como trabalhar o marketing digital em tempos de coronavírus.

Pause o planejamento que já havia sido feito

Estamos finalizando o primeiro trimestre do ano e provavelmente lá em janeiro sua equipe tinha todo um planejamento elaborado para os próximos meses. Mas o cenário mudou e não é hora de dar continuidade ao planejamento! O momento é de desenvolver novas estratégias e buscar desenhar novos caminhos.

Fortaleça o relacionamento com os clientes atuais

Agora é hora de investir em quem já conhece a sua empresa, em seus clientes ativos e seguidores nas redes sociais. Estreitar o relacionamento com esses públicos é primordial neste momento. Aproveite para conhecê-los melhor, use a criatividade para que eles interajam com as redes sociais, promova enquetes valiosas que possam te dar respostas assertivas para usar em ações imediatas, do dia a dia, e em estratégias de médio prazo.

Jamais se afaste das redes sociais

Este é o maior erro que uma empresa pode cometer neste momento! Se, com receio do que postar, uma empresa resolve simplesmente não aparecer, seu cliente vai acabar se esquecendo dela! As marcas mais importantes e valiosas do mundo investem em campanhas publicitárias ano após ano com o objetivo de reforço de marca, ou seja, não deixar que o consumidor se esqueça dela. Pense bem: o seu concorrente vai continuar com as publicações e anúncios nas redes sociais. Quando esta situação passar, de quem o cliente vai se lembrar quando precisar fazer uma compra: da sua empresa, que sumiu, ou do concorrente que se manteve ao lado dele todo este tempo?

Seja criativo

Criatividade faz parte de todo negócio de sucesso, principalmente nos momentos de crise. É hora de pensar diferente, de ir além. Buscar soluções ainda não utilizadas, se reinventar. As vendas podem cair, sim, mas a queda pode ser menor não só agora, mas também a longo prazo. Tem muitas empresas oferecendo vouchers de desconto para quando a quarentena acabar. Compre um voucher de R$50 e ganhe um crédito de R$100 para usar futuramente. É um modo de fazer com que o cliente volte à sua loja tão logo seja possível.

Contar com um parceiro experiente em marketing digital é muito importante para manter sua empresa ativa em tempos difíceis. Não se esqueça, a internet vai ser sua principal aliada neste momento e no novo cenário que se apresentará em seguida. Precisando de qualquer ajuda, a agência Big Data está à disposição! Conte com a gente =)

BBB 20 e Marketing Digital: como o programa pode trazer insights para sua empresa

Por incrível que pareça, mesmo após 18 anos no ar o Big Brother Brasil vem batendo recordes de audiência. As edições anteriores mais recentes sempre foram muito assistidas e comentadas, mas nada que se compare ao fenômeno que está sendo a edição de 2020. E o sucesso não se refere apenas aos participantes e assuntos que acontecem dentro da casa, mas também sobre os cases de sucesso que alguns participantes conseguiram gerar utilizando o marketing digital! Você deve estar se perguntando como o BBB pôde se tornar referência para campanhas e marcas e por isso detalhamos a seguir os acertos do programa e de seus participantes.

Quem começou acertando foi a própria produção do programa, que inovou na seleção e pela primeira vez na história escolheu alguns participantes já bem conhecidos do público – principalmente na internet – em vez de personagens totalmente anônimos. Boca Rosa e Manu Gavassi são os principais exemplos. Elas já eram influentes e conhecidas antes de entrarem no programa. Aqui a gente já percebe a importância de se utilizar influenciadores digitais em uma estratégia de marketing.

Outra mudança realizada pelos produtores do Big Brother foi que eles deram um tempo para os participantes se prepararem antes de entrarem no programa. Desta forma, alguns participantes criaram conteúdos incríveis para serem publicados nas redes sociais simultaneamente à sua participação no programa. Chamamos esta ação de transmídia, onde mídias diferentes contam trechos diferentes de uma mesma história. Assim, ganha a Rede Globo, que viu seu índice de audiência crescer como nunca e ganha o participante, que passou a ganhar milhares (ou até milhões!) de seguidores. Com isso, notamos outra etapa importante do marketing digital aplicado a um case real de sucesso: o planejamento.

Manu Gavassi – que já era conhecida por adolescentes por ter participado da revista Capricho – aproveitou o tempo que teve antes de entrar no programa para criar um storytelling genial: ela gravou vários vídeos contando quem ela é, porque aceitou participar e o que espera da sua participação no programa. Os vídeos foram sendo divulgados aos poucos e depois que ela entrou na casa. Desta forma, o espectador a vê na tv e passa a conhecer, procura por ela na internet, tem acesso aos vídeos que ela própria gravou, começa a segui-la nas redes sociais e vira fã.

A sacada genial dela não para por aí. Manu também é cantora e ela também deixou preparada uma música, que foi lançada nos últimos dias, depois que ela já tinha milhões de seguidores (Manu ganhou, em apenas um dia, mais de um milhão de seguidores, depois de sua entrada no programa). A música hoje é uma das mais ouvidas pelos brasileiros em mídias como o Spotify.

Todas as etapas descritas acima fazem parte do que chamamos no marketing de funil de vendas, que é assim detalhado:

– Aprendizado e descoberta (quem é a Manu);
– Reconhecimento do problema (o que ela faz de interessante e que agrega valor);
– Consideração da solução (mais seguidores nas redes sociais e fãs);
– Decisão de compra (vender sua imagem e sua música).

Mas o programa também nos mostrou que, caso o planejamento não seja realizado de forma correta, a campanha pode ser um fracasso.

Bianca Andrade, mais conhecida como Boca Rosa, entrou no programa como a participante com maior número de seguidores, ela já era uma grande personalidade nas redes sociais. Apesar da fama, sua imagem não era muito positiva, devido a polêmicas que ela havia se envolvido. Sua estratégia ao entrar no programa então foi a de personal branding, ou seja, melhorar a forma como as pessoas a viam, mostrar seu propósito, valor e identidade.

Porém, Boca Rosa errou no planejamento. Criticou o feminismo de algumas participantes, tema que está muito em alta ultimamente, e teve outras atitudes vistas como negativas. O que resultou numa perda de mais de um milhão de participantes! Ela pretendia também alavancar as vendas da sua marca de produtos de beleza, mas você já deve estar imaginando que o objetivo não foi concluído com sucesso. Esperamos que ela tenha uma boa equipe de gestão de crise nas redes sociais! A participante, inclusive, já foi eliminada do programa.

Estes são exemplo de duas personagens do programa que mostram de forma muito clara a importância de um planejamento detalhado, de conhecer o seu público, saber como conversar com ele, fazendo com que se tornem fãs. Mostra também a importância de não só se tornar conhecido, mas saber como administrar de forma corretas as estratégias criadas.

Todas estas etapas são parte importante de um planejamento de marketing digital, do qual a agência Big Data é especialista. O sucesso ou derrota das estratégias e ações desenvolvidas em um planejamento depende de grande estudo de mercado e dos passos corretos a serem tomados. Uma equipe experiente é fator primordial para garantia de sucesso. Quer garantir o sucesso da sua empresa nas mídias sociais? Entre em contato com a Big Data agora mesmo!

A importância de se investir em anúncios de mídia digital

Todo final de ano é época de fazer o planejamento da empresa para o ano seguinte. Estudar o que deu certo e o que deu errado, visando buscar melhorias no ano que está para começar. É o momento de analisar os investimentos realizados e entender o que deve continuar e o que pode ser cortado do plano de mídia. E aí bate a questão: devo continuar investindo em redes sociais para a minha empresa? A resposta é uma só: com certeza!

Contra fatos não há argumentos, e nada melhor do que os dados para confirmarem esta resposta. Segundo informações do IBGE, cerca de 70,5% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet. Já outro estudo, realizado pelo IBOPE Media, revela que 64% dos usuários regulares de internet afirmam conferir a opinião de outros usuários sobre determinado produto antes de decidir pela compra.

Ainda falando sobre pesquisas, a Pesquisa Global de Entretenimento e Mídia 2017-2021, realizada pela PricewaterhouseCoopers (PwC) mostra que há uma previsão de 12% no crescimento do investimento em mídias digitais até o ano de 2021, ou seja, os seus concorrentes estão focados em anunciar nas mídias digitais!

As mídias digitais são capazes alcançar um volume expressivo de pessoas em pouco tempo. Além disso, é possível criar segmentações muito detalhadas, de modo a atingir diretamente o público-alvo desejado, com alto grau de assertividade. Podemos, por exemplo, criar anúncios personalizados que sejam visualizados por mulheres de 35 anos que fazem aniversário dentro de 7 dias, algumas semanas ou um mês. Que sejam casadas ou não, com ou sem filhos, que viajaram ou não recentemente e ainda que tenham ou não preferência por comprar produtos de alto valor. Que gostem de doces e não gostem de cerveja e que estão a menos de 5 km da sua loja.

Incrível, não é?

Parece mágico uma segmentação tão detalhada assim, mas são ferramentas como o Facebook Ads ou o Google Ads possibilitam para os anunciantes. É preciso investir determinado valor nestas plataformas de anúncios para que elas exibam os anúncios para as pessoas certas.

A estruturação dos anúncios exige conhecimentos técnicos e experiência, de forma que o profissional consiga perceber claramente se a campanha está tendo bons resultados e o que fazer para aprimorar ainda mais. Desta forma, evita-se investimentos desnecessários.

Se a sua empresa ainda não está criando anúncios na internet, comece agora mesmo! Se a empresa já trabalha com anúncios, mas o resultado não está satisfatório, entre em contato com a Big Data. Temos uma equipe especializada em marketing digital, com grande foco em mídia e performance. Juntos podemos fazer de 2020 um ano de sucesso para sua empresa!

O que é Reposicionamento de Marca e quando fazê-lo?

Já reparou que empresas já consagradas e que estão há muitos anos no mercado estão sempre com novidades? Seja em mudanças de slogan ou logomarca, com frequência vemos empresas anunciando mudanças. O nome disso é Reposicionamento de Marca e tem como objetivo se adequar às evoluções pelas quais o mundo passa.

O reposicionamento de marca é um planejamento estratégico que visa criar vantagem competitiva junto aos concorrentes, falar a mesma linguagem dos clientes e, por consequência, vender mais.

Em momento de reposicionamento é crucial ser verdadeiro e apostar sempre em mudanças que realmente condizem com o que a empresa acredita. É preciso ter muito cuidado neste momento! Embarcar em um movimento que não faz sentido para o perfil da empresa pode ser muito perigoso posteriormente.

Ideologia x Reposicionamento

É interessante entender também que reposicionamento de marca não significa mudar toda a ideologia da empresa. A essência da marca se mantem a mesma. O posicionamento, a forma de ser falar e portar perante o consumidor, é que se tornará flexível.

Como saber se é hora de mudar?

A necessidade de mudança pode vir de fatores internos e externos. Os internos se referem à realidade de dentro da empresa, aos colaboradores, mudanças no segmento de atuação e ideias para novas estratégias.

Já os fatores externos dizem respeito ao mundo como um todo. Pode ser que em determinado momento sua empresa percebeu que os clientes mudaram, estão mais politizados e críticos socialmente, preocupados com o meio ambiente e vários outros motivos. Se a empresa ainda não se preocupava com as novas questões que os clientes estão buscando, é hora de mudar!

Como reposicionar a marca sem perder os clientes fiéis?

Um reposicionamento de marca não é feito só para seguir uma tendência e jamais deve ser realizado sem planejamento. Para realizar qualquer tipo de mudança é importante analisar o cenário atual da empresa, se o momento é propício às mudanças, se elas são coerentes com a história da empresa e se a marca é forte o suficiente para passar por alterações sem sofrer prejuízos.

Para isto, é importante conhecer muito bem os seus públicos, não apenas questões relacionadas a características como sexo, idade e renda mensal, mas principalmente aspectos mais profundos de sua personalidade, tais como o que ele deseja para o mundo, como ele se relaciona com empresas e com o meio em que vive.

Havaianas, Natura, Dove e Skol são cases de sucesso em reposicionamento de marca. Ao longo dos anos, elas mudaram sua forma de conversar com o consumidor. Estão mais modernas, antenadas e com a proposta de vender experiência, em vez do produto em si.

Acredita que está na hora da sua empresa mudar de posicionamento? Entre em contato com a Big Data! Nossos profissionais estão a postos para conhecer sua empresa e contarmos juntos sua história.

A importância da Análise S.W.O.T. no planejamento empresarial

Quando se fala em Marketing, uma das primeiras expressões que o profissional de comunicação se lembra é a Análise S.W.O.T., aprendido à exaustão nas faculdades desde os primeiros períodos. Strengths, Weaknesses, Opportunities, Threats (ou, em bom português, F.O.F.A: Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças) são pontos de atenção imprescindíveis para a evolução de toda empresa, tanto em ambiente interno como externo.

O objetivo é simples e, como as próprias palavras expressam, visa identificar os pontos fortes e fracos de uma empresa e as oportunidades e ameaças às quais ela está exposta. É importante para analisar a concorrência, por exemplo, e identificar onde sua empresa leva vantagem e em quais pontos precisa de melhorias.

Para entender melhor, vejamos sobre o que se trata cada uma das características:
Forças – relaciona-se às vantagens que a empresa tem perante os concorrentes. Qual a maior vantagem competitiva, quais os diferenciais e recursos que a empresa tem que a concorrência não tem.

Oportunidades – são as forças externas que influenciam a empresa de forma positiva. Normalmente são forças que não podemos controlar, tais como mudanças na política econômica do governo, alterações de tributos, ampliação de crédito ao consumidor, entre outras. Mas embora não haja controle, é extremamente possível realizar pesquisas que preveem o acontecimento destes fatos.

Fraquezas – evidentemente é o contrário da força. Quais são os aspectos negativos que a empresa tem perante os concorrentes? Em outras palavras, por que o cliente prefere o concorrente à sua empresa? Estes itens devem ser pensados cuidadosamente, pois são eles que irão guiar o próximo passo.

Ameaças – são os acontecimentos que impactam a empresa de forma negativa. Podem prejudicar todo o planejamento e funcionamento da empresa e por isso devem ser analisados com toda cautela.

A Análise S.W.O.T. deve ser realizada na etapa de planejamento de novas ações e os resultados obtidos irão guiar os processos a serem seguidos. Mas deve ser reaplicada de tempos em tempos, para identificar se os objetivos traçados estão efetivamente se concretizando, se houve alguma mudança no mercado a ser considerada, etc.

Gerir uma empresa sem fazer uso destas análises pode ser muito prejudicial à saúde do negócio. É através de estudos e análises concretas que o planejamento estratégico é feito. Prosseguir com um trabalho sem estudar os riscos que possam vir a acontecer é um risco inestimável e que pode sim causar falências.

Que tal conversar com nossos profissionais para identificar as forças, oportunidades, fraquezas e ameaças que sua empresa enfrenta? Entre em contato agora mesmo com nossa equipe!