4 dicas de como trabalhar o marketing digital em tempos de coronavírus

Se a internet já era um dos principais canais de comunicação de empresas com os clientes, nestes dias em que praticamente o mundo todo está de quarentena por recomendações de especialistas, mais do que importante, a internet passou a ser fundamental. Esta forma de comunicação é basicamente o meio mais rápido e eficiente de uma empresa falar com seu cliente, já que o contato pessoal ficou restrito e mídias como rádio, anúncios em revista e TV tendem a ser mais caros e de difícil segmentação e mensuração dos resultados.

Como tudo o que acontece de forma inesperada, o avanço da pandemia em âmbito mundial pegou a todos desprevenidos. A indecisão sobre como agir é geral e não poderia ser diferente. O importante agora é manter a tranquilidade, pesquisar diferentes cenários e agir com cautela.

Confira algumas dicas de como trabalhar o marketing digital em tempos de coronavírus.

Pause o planejamento que já havia sido feito

Estamos finalizando o primeiro trimestre do ano e provavelmente lá em janeiro sua equipe tinha todo um planejamento elaborado para os próximos meses. Mas o cenário mudou e não é hora de dar continuidade ao planejamento! O momento é de desenvolver novas estratégias e buscar desenhar novos caminhos.

Fortaleça o relacionamento com os clientes atuais

Agora é hora de investir em quem já conhece a sua empresa, em seus clientes ativos e seguidores nas redes sociais. Estreitar o relacionamento com esses públicos é primordial neste momento. Aproveite para conhecê-los melhor, use a criatividade para que eles interajam com as redes sociais, promova enquetes valiosas que possam te dar respostas assertivas para usar em ações imediatas, do dia a dia, e em estratégias de médio prazo.

Jamais se afaste das redes sociais

Este é o maior erro que uma empresa pode cometer neste momento! Se, com receio do que postar, uma empresa resolve simplesmente não aparecer, seu cliente vai acabar se esquecendo dela! As marcas mais importantes e valiosas do mundo investem em campanhas publicitárias ano após ano com o objetivo de reforço de marca, ou seja, não deixar que o consumidor se esqueça dela. Pense bem: o seu concorrente vai continuar com as publicações e anúncios nas redes sociais. Quando esta situação passar, de quem o cliente vai se lembrar quando precisar fazer uma compra: da sua empresa, que sumiu, ou do concorrente que se manteve ao lado dele todo este tempo?

Seja criativo

Criatividade faz parte de todo negócio de sucesso, principalmente nos momentos de crise. É hora de pensar diferente, de ir além. Buscar soluções ainda não utilizadas, se reinventar. As vendas podem cair, sim, mas a queda pode ser menor não só agora, mas também a longo prazo. Tem muitas empresas oferecendo vouchers de desconto para quando a quarentena acabar. Compre um voucher de R$50 e ganhe um crédito de R$100 para usar futuramente. É um modo de fazer com que o cliente volte à sua loja tão logo seja possível.

Contar com um parceiro experiente em marketing digital é muito importante para manter sua empresa ativa em tempos difíceis. Não se esqueça, a internet vai ser sua principal aliada neste momento e no novo cenário que se apresentará em seguida. Precisando de qualquer ajuda, a agência Big Data está à disposição! Conte com a gente =)

A importância de se investir em anúncios de mídia digital

Todo final de ano é época de fazer o planejamento da empresa para o ano seguinte. Estudar o que deu certo e o que deu errado, visando buscar melhorias no ano que está para começar. É o momento de analisar os investimentos realizados e entender o que deve continuar e o que pode ser cortado do plano de mídia. E aí bate a questão: devo continuar investindo em redes sociais para a minha empresa? A resposta é uma só: com certeza!

Contra fatos não há argumentos, e nada melhor do que os dados para confirmarem esta resposta. Segundo informações do IBGE, cerca de 70,5% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet. Já outro estudo, realizado pelo IBOPE Media, revela que 64% dos usuários regulares de internet afirmam conferir a opinião de outros usuários sobre determinado produto antes de decidir pela compra.

Ainda falando sobre pesquisas, a Pesquisa Global de Entretenimento e Mídia 2017-2021, realizada pela PricewaterhouseCoopers (PwC) mostra que há uma previsão de 12% no crescimento do investimento em mídias digitais até o ano de 2021, ou seja, os seus concorrentes estão focados em anunciar nas mídias digitais!

As mídias digitais são capazes alcançar um volume expressivo de pessoas em pouco tempo. Além disso, é possível criar segmentações muito detalhadas, de modo a atingir diretamente o público-alvo desejado, com alto grau de assertividade. Podemos, por exemplo, criar anúncios personalizados que sejam visualizados por mulheres de 35 anos que fazem aniversário dentro de 7 dias, algumas semanas ou um mês. Que sejam casadas ou não, com ou sem filhos, que viajaram ou não recentemente e ainda que tenham ou não preferência por comprar produtos de alto valor. Que gostem de doces e não gostem de cerveja e que estão a menos de 5 km da sua loja.

Incrível, não é?

Parece mágico uma segmentação tão detalhada assim, mas são ferramentas como o Facebook Ads ou o Google Ads possibilitam para os anunciantes. É preciso investir determinado valor nestas plataformas de anúncios para que elas exibam os anúncios para as pessoas certas.

A estruturação dos anúncios exige conhecimentos técnicos e experiência, de forma que o profissional consiga perceber claramente se a campanha está tendo bons resultados e o que fazer para aprimorar ainda mais. Desta forma, evita-se investimentos desnecessários.

Se a sua empresa ainda não está criando anúncios na internet, comece agora mesmo! Se a empresa já trabalha com anúncios, mas o resultado não está satisfatório, entre em contato com a Big Data. Temos uma equipe especializada em marketing digital, com grande foco em mídia e performance. Juntos podemos fazer de 2020 um ano de sucesso para sua empresa!

Funil de Vendas e a Pirâmide de Chet Holmes na jornada de compra

É impossível falar sobre Inbound Marketing sem citar o funil de vendas, que divide em etapas a jornada de compra de um cliente. Por isso, no post “O que é Inbound Marketing e como aplicá-lo à minha empresa” explicamos de forma detalhada como este conceito é aplicado nas campanhas de marketing digital.

Mas existe também outro termo importante que deve ser analisado durante o processo de planejamento e que atua como complemento ao funil: a Pirâmide de Chet Holmes. Em seu livro “The Ultimate Sales Machine”, Chet Holmes apresenta uma pesquisa que realizou com empresas de diferentes segmentos.

Ele constatou que apenas 3% dos leads de uma empresa realmente desejam comprar algo e 7% deles estão abertos a ouvir e receber propostas. 30% não estão pensando em comprar, 30% acredita não estar interessado em comprar e 30% tem certeza que não está interessado em comprar. O resultado é a pirâmide abaixo:

Mas o que isso tem a ver com o funil de vendas? Tudo! Basta inverter a pirâmide de Chet Holmes e temos um modelo bem parecido com o funil de vendas. E aqui entra a importância de um bom planejamento, aliando as duas estratégias.

Analisando as porcentagens de cada etapa da pirâmide, fica muito claro entender que o trabalho de um vendedor é árduo. Se apenas 10% dos potenciais clientes querem ou estão abertos à compra, como encontrar espaço para conversar com os outros 90%?

Estes números reforçam a importância do Inbound Marketing, que, bem planejada, permite se aproximar sutilmente dos clientes que não estão interessados na compra e assim, por meio do desenvolvimento de conteúdos atrativos, acompanhá-los por toda a jornada, até a decisão de compra.

A equipe da Big Data está a postos para implementar a melhor estratégia para o seu negócio! Entre em contato com a gente, vamos conversar?

O que é Inbound Marketing e como aplicá-lo à minha empresa

Uma das expressões mais utilizadas pelas agências de marketing digital nos últimos anos, Inbound Marketing é um processo que tem como objetivo produzir bons conteúdos visando atrair potenciais clientes para o site de uma empresa, através de conteúdos relevantes e não invasivos.

Inbound Marketing x Outbound Marketing

Se antigamente o consumidor era bombardeado por propagandas em canais como tv, rádio, jornais e revistas (outbound marketing) por marcas que talvez nem eram de seu interesse, atualmente isso não faz mais sentido. Afinal, é perder dinheiro com quem não tem interesse no seu produto.

Uma das grandes vantagens do Inbound Marketing é a segmentação. O inbound marketing atua no campo digital, onde é possível veicular o seu conteúdo apenas para as pessoas que tenham real interesse no que sua empresa tem a dizer! Desta forma a empresa investe um valor bem menor em publicidade e tem um retorno muito maior. Veja alguns dados:

– O custo do Inbound Marketing é 62% mais barato do que campanhas tradicionais;

– O retorno sobre investimento (ROI) médio das estratégias de Inbound Marketing é 275% maior do que nas campanhas tradicionais.

Além de todas estas vantagens, o Inbound Marketing permite a medição de todos os resultados, já que no ambiente digital é possível medir cada click, compartilhamento, saber qual parte do seu site é mais visualizada, se o cliente abriu o seu e-mail e até que parte do texto ele chegou a ler, além de inúmeras outras estatísticas. Para isto, basta saber as ferramentas corretas a serem utilizadas na campanha.

Objetivos do Inbound marketing

  1. Gerar mais tráfego orgânico para o seu site (SEO);
    2. Gerar mais leads orgânicos;
    3. Aumentar a notoriedade da sua marca;
    4. Baixar o custo de aquisição de clientes;
    5. Gerar vendas e fidelizar.

Inbound marketing na prática

O objetivo do inbound marketing não é a conversão imediata. Neste tipo de estratégia, o “funil de vendas” é o condutor que irá guiar o primeiro contato do cliente com a sua marca até a fase final, de venda e fidelização.

Funil de Vendas do Inbound Marketing

1 – Atrair visitantes

Este é o topo do funil, ou seja, aqui estão as pessoas que podem se interessar pelo seu produto/serviço e é aqui que precisamos chamar sua atenção, seja com texto em blog através do SEO, mídias sociais, e-book ou qualquer outro material que vá interessar o futuro cliente. Aqui são criados conteúdos mais genéricos, mas sempre focados no interesse do futuro cliente.

2 – Geração de leads

Conseguimos atrair o futuro cliente na etapa anterior! Ele gostou tanto do conteúdo que cadastrou o e-mail para receber mais informações. Neste momento ele é um lead.

3 – Conversão

O futuro cliente passa a receber conteúdos cada vez mais específicos, de acordo com o seu interesse. Através de análises, conseguimos compreender seus desejos e necessidades. Desta forma, enviamos a ele apenas conteúdos bem específicos, gerando interesse e fazendo-o entrar em contato.

4 – Venda

O cliente percorreu todo o caminho que foi planejado e realizou a compra do seu produto ou serviço, fazendo com que o objetivo seja alcançado! Para algumas empresas esta é a fase final, mas não para Big Data! Nosso objetivo é fidelizar o cliente.

5 – Fidelização

Cliente satisfeito vira cliente cativo! Ele vai lembrar da sua empresa quando precisar de outro produto ou quando algum amigo precisar de indicação. É importante continuar acompanhando este cliente, enviando bons conteúdos, tirando suas dúvidas e satisfazendo suas necessidades e desejos.

Parece complexo e sejamos sinceros, realmente é. É preciso muito conhecimento de mercado e principalmente, dominar as ferramentas necessárias para a realização de todo este ciclo. Mas fique tranquilo, a Big Data já realizou este trabalho para vários clientes, sempre com sucesso!

Entre em contato agora mesmo para mais informações!

O que são e como gerar leads

Se você já ouviu algum profissional de marketing conversando, com certeza ouviu a palavra “leads” sendo citada várias vezes. Essa palavrinha pequena tem um poder enorme em uma campanha de marketing e se você ainda não sabe o que é nem a melhor forma de captá-los, vamos te contar tudo agora.

O que é lead?

Simples assim: lead é uma pessoa que tem interesse nos produtos ou serviços que sua empresa oferece. Ou seja, um lead é em resumo um potencial cliente da sua empresa! Entendeu agora por que eles são tão importantes? “Mas como achar esses leads? Como faço para saber quais são as pessoas com interesse pelo meu produto ou serviço? Não quero perdê-las, preciso que conheçam minha empresa, se tornem clientes e fidelizem-se. Me ajudem!”

Claro, a Big Data tem grande expertise com geração e nutrição de leads, continue com a gente pra entender mais.

Como captar leads

O primeiro passo é obter uma forma de contato não invasivo com esta pessoa, o e-mail é um ótimo exemplo. A internet nos oferece várias  formas de capturar um lead: e-books, webinars, vídeos, infográficos e tudo mais que a criatividade permitir. Pensar na criação de um conteúdo rico, que seja tão valioso e importante para o seu cliente que ele vai desejar fornecer o e-mail para receber o seu conteúdo. E pronto! A partir do momento que ele fornece o e-mail (ou outra forma de contato que você desejar), se tornou um lead!

Como saber qual conteúdo rico devo gerar para capturar um lead?

É aí que entra o nosso trabalho. A Big Data realiza uma pesquisa completa do mercado de atuação da sua empresa para descobrir quais são os hábitos do seu consumidor. Em quais redes sociais ele está, o que gosta de fazer na internet, se é um leitor voraz, se prefere ouvir áudios ou assistir vídeos. Acredite, estes hábitos variam de acordo com idade, interesses pessoais e muito mais.

Capturei o lead! E agora?

A forma de se fazer publicidade mudou. Se antes era comum propagandas invasivas, o consumidor de hoje detesta ser bombardeado por anúncios que não foi solicitado. É preciso chegar até ele com cautela, oferecendo conteúdos sutis. É o que na publicidade chamamos de “funil de vendas”.

Vamos supor que você criou um e-book com o tema “5 benefícios da caminhada” e o seu possível cliente se interessou, cadastrando o e-mail para receber o e-book. Uma segunda etapa possível seria a criação de um blog post sobre “A importância do calçado ideal para caminhar” e num futuro momento, outro blog post com o título “escolha o tênis perfeito para sua atividade física”, com o link da sua loja. Viu como a probabilidade deste cliente realizar uma compra é grande?

Como saber se meu lead está gostando do meu conteúdo?

Existem ferramentas que nos permite verificar se o lead recebeu o e-mail, se abriu este e-mail, se leu o conteúdo, se excluiu e demonstrou desinteresse, além de várias outras análises. Desta forma é possível entender o comportamento do lead e pensar em conteúdos que satisfaçam seus interesses. Este trabalho é o que chamamos de “Inbound Marketing”.

Não há dúvidas. A geração e nutrição de leads, junto com um acompanhamento diário de Inbound Marketing gera um grande retorno para empresas de qualquer setor. Entre em contato agora mesmo com a Big Data para conhecer nossos cases e entender como podemos aplica-lo no seu negócio!